Páginas


13 de mai de 2012

O que eu achei de: Sherlock Holmes - O Jogo de Sombras

02Dez2011 16

Eu sei!... Esse artigo tá um pouco atrasado (pouco nada, tá atrasado pra caramba!).
Eu não escrevo muitos artigos sobre filmes que foram lançados a muito tempo, mas esse merecia!

O filme estreou em 13 de Janeiro desse ano (2012), por isso não vou me preocupar em não fazer spoilers do filme... por isso cuidado com o que você vai ler abaixo!

Os produtores conseguiram melhorar bastante do primeiro filme para esse. Não estou dizendo que o primeiro filme era ruim, ele só tinha um problema: a falta de foco no objetivo do personagem principal. Sherlock Holmes é um detetive, e no primeiro filme eles deram muita enfase para as cenas de ação, e não para a parte da investigação, que é própria do personagem. Felizmente esse problema foi "consertado" no segundo filme, que consegue conciliar com perfeito equilíbrio a ação e a investigação.

Um ponto que vale ser mencionado é a "implantação das idéias" antes delas serem concretizadas. Essa é uma cateterística típica das histórias desse ilustre detetive. Perceba que por "implantação de idéias" eu estou me referindo a aceitação de idéias como a morte do personagem principal. Eu adorei como eles introduziram isso na trama. Eles fizeram com que Holmes QUASE morresse nos braços de seu amigo Watson, para que quem estivesse assistindo percebesse que ele realmente poderia morrer durante a trama. E foi isso que aconteceu no fim. Quando ele se joga agarrado com o Professor Moriarty (vilão do filme), o filme faz com que você realmente acredite que ele morreu. Isso não aconteceria se eles não tivessem de mostrado que isso era possível com a cena da quase morte com o leal parceiro, Watson.

Graças aos céus, ele não morreu e reaparece no fim do filme (de um modo um tanto quanto inusitado) e acalma o coração dos fans que esperam uma continuação da franquia.

Outro ponto valioso do filme é a própria trama. É totalmente inusitada e inovadora se comparada com a do primeiro filme. Com muitos detalhes que ajudam a dar sentido ao filme, a produção colocou uma situação nesse filme que não é vista no primeiro: Sherlock Holmes cometendo um erro! Mostrar o detetive que SEMPRE acerta e SEMPRE está um passo a frente de todos foi um ato de coragem dos escritores.

A trama em sí é uma versão macro do que se vê no livro O Problema Final (1893), em que o detetive começa a suspeitar que uma série de roubos não poderia ser mero acaso e que alguém maior por trás de todos eles. No filme, tudo isso é expandido para muito além de Londres, levando o investigador e seu parceiro Dr. Watson à França, Alemanha e Suíça, para tentar deter Moriarty e a primeira Guerra Mundial. A cada novo cenário são mostrados o desenvolvimento presente no fim do século 19, como a construção do metrô de Londres e a basílica da Sacré-Coeur, em Paris.

Enfim, com uma produção excelente, e mais acertos do que erros, o filme conseguio agradar os fans e superar o primeiro filme, fazendo dessa continuação um filme interessante , divertido e fascinante... e manteve o personagem suficientemente divertido para um possível terceiro filme.