Páginas


5 de mai de 2012

"The Ultimate Fighter Brasil" é uma decepção.


É, a Globo bem que tentou, não é?

The Ultimate Fighter Brasil deixa a desejar do início ao fim de cada episódio. O reality show que dá dois contratos para disputar o UFC (Ultimate Fight Championship) a dois lutadores é sem graça, com lutas fracas e com o mesmo problema do Big Brother Brasil: merchandising exagerado.

Nada contra a Globo ou seus patrocinadores, mas como? Como eles puderam deixar um reality show que tinha tudo para ser muito bom cair nessa monotonia que se vê todo domingo a noite?

As lutas, até agora, não mostraram nível do UFC. Entre decisões equivocadas dos árbitros e adversários fracos tecnicamente, o time Belfort está dando uma surra no time Wanderlei. Como o regulamento do programa permite que a equipe vencedora escolha a próxima luta (o que não faz sentido algum), os bons do time verde pegam os piores da equipe azul em cada categoria, mas logo mais essa estrutura se inverte, deixando o confronto “equilibrado”... ou não.

Outro problema é a falta de confrontos dentro da casa. Enquanto nas edições americanas os lutadores brigam, quebram as coisas, jogam tudo na piscina, aqui os “confinados” pregam poucas peças nos companheiros de isolamento, deixando a primeira meia hora do programa extremamente monótona. Para um programa que passa tarde no domingo, após o Fantástico, isso pode significar um espectador dormindo.

Os participantes não são os mais interresantes também. Os depoimentos/clichês deles não poderiam ser mais entediantes. Coisas como “vou lá fazer o meu melhor, buscando sempre a vitória” e " Não vim aqui pra perder!"... Dãã! Lógico que você não foi pra perde, nenhum de vocês foi!! Eu sei que eles não estão lá pra falar frases geniais e impactantes, mas ele podem se esforçar mais que isso!

Enfim, acho que o que ainda dá alguma audiência para o programa é a expectativa da luta entre Wanderlei Silva e Vitor Belfort, duas lendas do MMA brasileiro. A rivalidade entre os dois vem de 1998, quando Belfort nocauteou o “Cachorro Louco” em 44 segundos. Após 14 anos de espera, a revanche finalmente foi marcada, e a cada episódio existe uma certa provocação entre ambos, deixando cada vez maior a expectativa para o confronto durante o UFC 147, no dia 23 de junho.

Mas enfim, ainda dá tempo da Globo salvar o esse barco do iceberg eminente, mas será preciso muito esforço. Ainda guardo esperanças para os próximos episódios, e espero realmente não dormir durante eles.

Espero, que a "luta final" não seja um fracasso como o programa vem sendo, ou muito telespectadores vão se decepcionar... de novo.